Uma viagem para Nova York na quarentena

 

Por Luiza Terpins, cofundadora e head de conteúdo da Além

 

A essa hora, se o coronavírus não tivesse nos acertado em cheio, era para eu estar fazendo a mala para passar 5 dias de férias em Nova York, minha cidade favorita no mundo. Exatamente um mês antes de tudo isso estourar, eu comemorava que tinha encontrado uma passagem em promoção e minha Cabine Areia iria estrear em sua primeira viagem internacional. O resto vocês já sabem.

Com a viagem cancelada (a Delta anunciou que poderemos remarcar a passagem até 2022), decidi que iria dar um jeito de viver a experiência Nova York mesmo que à distância – afinal, se tem uma coisa que a quarentena nos mostrou, é que é possível sentir pelo menos o gostinho de viajar sem sair de casa. Acho, inclusive, que essas experiências virtuais vão nos ajudar a planejar melhor as viagens quando tudo passar, mas sobre isso podemos falar outra hora.

Lamentações à parte, na semana passada peguei o esboço de programação que já tinha feito e me perguntei como poderia fazer essa “viagem” acontecer. Eis o resultado!

>> Para ler ouvindo no último volume essa playlist que a New York Public Library lançou com os sons da cidade para quem está com saudades do barulho. Tem metrô, trânsito (buzinas e gritos de taxistas, tem algo mais Nova York?), a biblioteca, claro; e parques em meio a selva de pedra.

 


Mensagem para você

 

filme em nova york

 

Já vou começar assumindo uma grande falha minha: eu ainda não tinha assistido ao clássico Mensagem para Você, filme de 1998 estrelado por Tom Hanks e Meg Ryan. Escolhi assisti-lo agora não só para reparar este erro, mas também porque ele se passa em Nova York, mais especificamente no Upper West Side, região onde costumo ficar quando vou para lá e onde me hospedaria nessa viagem.

 

filme em nova york

 

Gosto de lá porque mistura o agito com um pouco da vibe de quem mora na cidade. Se você pega o metrô no final do dia rumo ao Upper West Side, vai encontrar o pessoal local voltando para casa no maior estilo blasé típico de Nova York.

Aluguei o filme no Itunes por R$ 7 (também tem no Google Play).


O Apanhador no Campo de Centeio

 

o apanhador no campo de centeio

Aproveitei também para reler este clássico da literatura escrito por J. D. Salinger. Foi a terceira vez que li (a primeira tinha sido quando eu estava no colegial, e a segunda, na faculdade). Foi um dos meus livros favoritos por muito tempo. Recomendo porque Salinger escreve muito bem e de um jeito que te envolve.

Narrado em primeira pessoa pelo personagem principal, Holden Caulfield, um jovem de 16 anos cheio de personalidade e de problemas, o livro se passa na Nova York dos anos 1950. Impossível não imaginar as cenas, já que ele as descreve bastante – e nessas você acaba se imaginando no Museu de História Natural (foto abaixo) e em uma madrugada de inverno na Grand Central.

 

museu da história nacional nova york

 

Para onde os patos do Central Park vão durante o inverno? Entendedores entenderão.

lago central park nova york
Esse eu flagrei na primavera

A edição mais recente de O Apanhador no Campo de Centeio publicada no Brasil é da Editora Todavia.


Música clássica

Eu tinha decidido que dessa vez iria a algum concerto na NY Phill, a orquestra filarmônica de Nova York. Comecei a me interessar por música clássica no ano passado e seria interessante acompanhar uma apresentação ao vivo de uma das orquestras mais famosas do mundo. Não foi dessa vez, mas, felizmente, desde o início da quarentena eles e o Metropolitan Opera estão disponibilizando pela internet alguns concertos.


Viajo, logo existo

Uma das coisas que eu mais gosto de fazer quando viajo é tirar algumas horas para apenas existir no local. Digo, sentar e ficar assistindo a vida passar, a rotina dos moradores e as trapalhadas dos turistas. Ano passado, na minha última visita à Nova York, passei uma manhã de segunda-feira jogada no Central Park. Devia fazer uns 12 graus, mas o sol me enganou e eu saí de lá torrada – dias depois, quando voltei para o Brasil, o pessoal brincou que eu tinha, na verdade, passado uns dias em Fernando de Noronha, e não ido para outro país.

 

central park nova york

 

Enfim, à distância não dá para ter essa sensação, mas para quem é adepto de assistir a vida acontecendo em viagens, o site Earth Cam quebra um galho. E agora, ganha outra função: a gente vê como a quarentena está sendo respeitada lá fora. Em Nova York, dá para ver a Times Square e a Quinta Avenida.


Friends

Praticamente todos os dias antes de dormir eu coloco um episódio de Friends para assistir até cair no sono. Essa pode ser uma dica muito turistona, mas quem é fã da série não pode deixar de dar uma passada no prédio que aparece como a fachada da casa da Monica, Joe e Chandler – e do Central Perk, o café no térreo onde eles se encontram. Aqui nesse post a gente conta como chegar lá.

 

prédio de friends em nova york


Plus:

Essa playlist da NYU com músicas sobre Nova York.

Tem a mais famosa do Frank Sinatra? Tem, claro! Mas também tem outras menos conhecidas e que são uma delícia de ouvir.

 

nova york sem sair de casa


Quer ler mais sobre Nova York? Tem outros posts aqui no guia além!

Tagged , , , ,