#FuiAlém: o que fazer em Lisboa, Portugal

Vai para Lisboa e está em busca do que fazer quando chegar lá? Então veja dicas de quem entende do destino

*Por Lourdes Luz

Caminhar por Lisboa é sempre uma surpresa: um beco que nos agarra; uma arquitetura que nos identificamos; um largo que surge quando menos esperamos. Se o cansaço bater, basta pegar os ônibus ou os charmosos “elétricos” (os bondinhos que muito lembram os do bairro carioca de Santa Teresa). Lisboa é uma cidade encantadora.

EM ALFAMA

Olhamos o mapa e decidimos começar o percurso por Alfama, pois faz sentido darmos o “start” no bairro mais antigo da capital. Usando o “bonde 28”, é possível subir as estreitas ladeiras e ruelas – tão estreitas que a gente pensa: agora não vai dar para fazer a curva!

o que fazer em lisboa

Neste caminho encontramos a Sé, que mais parece uma muralha medieval, vimos as Ruínas do Teatro Romano e entramos no Castelo mouro de São Jorge – são muitas histórias que se cruzam ao som do fado, uma música lindamente triste, mas cantada com muita paixão.

Perder-se nas ruelas labirínticas de Alfama tem o seu valor, afinal, algumas têm menos de 1 metro de largura. Quando menos se espera, surge uma igreja! Quando é impossível de acreditar, brota uma muralha medieval no meio do caminho! É assim que encontramos a Torre de São Pedro, num simpático largo no meio de um labirinto estreito.

NA BAIXA

Na volta, depois de passar por vários mirantes (o pôr do sol no Miradouro das Portas do Sol é uma obrigação) e tirar belas fotos panorâmicas, paramos no Terreiro do Paço ou Praça do Comércio – a porta de entrada, o coração da cidade – que tanto lembra a nossa Praça XV no Rio de Janeiro.

o que fazer em lisboa

Atravessamos o arco em direção à Rua Augusta que liga duas importantes praças: a do Comércio e a Praça do Rossio mais à frente. No caminho encontramos o Elevador de Santa Justa que nos leva às ruinas do Convento do Carmo, onde podemos ver o requinte de uma igreja medieval (o convento foi destruído parcialmente no terremoto de 1755 e nunca foi reconstruído – hoje é um museu bem interessante).

Ainda na Baixa, chegamos a Praça do Rossio ou Praça D.Pedro IV (o nosso D.Pedro I), cujo o piso inspirou o calçadão de Copacabana. É cercada por edifícios elegantes do século XIX, “coroada” pelo Teatro D.Maria II – Pai e Filha no mesmo espaço da cidade.

EM BELÉM

Chegamos em uma região rica em cultura e história, e lá encontramos locais imperdíveis.
O Mosteiro dos Jerónimos é o reflexo do poder “além mares” dos portugueses. Isso porque a construção teve início em 1501 para celebrar o retorno da viagem de Vasco da Gama, na qual descobriu o caminho marítimo para as Índias. Caminhando pela beira-rio chegamos à Torre de Belém, um símbolo arquitetônico da cidade que vale a visita. Construída a partir de 1514, era o ponto de partida dos navegadores para novas rotas comerciais.

o que fazer em lisboa

Um lugar que poucos turistas acreditam no seu potencial é o Museu Nacional dos Coches. Ele nos transporta para o passado por meio de incríveis carruagens, que ficam no edifício projetado por um arquiteto brasileiro, Paulo Mendes da Rocha.

Seu acervo é surpreendente, pois até as carruagens podem ser vistas como obras de arte. São verdadeiros carros-escultóricos, ou melhor, são carros-alegóricos: praticamente um carnaval no quesito explosão de formas, cores e tamanhos.

Quem pensa que Lisboa só vive de seu passado?

O Centro Cultural de Belém abriga a Coleção Berardo, reconhecida pelo valor de suas obras de referência que acompanham os principais movimentos dos séculos XX e XXI das artes plásticas – o edifício é bonito e as exposições ótimas de ver. Para aqueles que gostam de fazer caminhadas, o Palácio Real da Ajuda é um ótimo destino. É uma sóbria edificação, porém inacabada porque a família real o abandonou quando se exilou para o Brasil, em 1808.

Antes de continuar o passeio, uma parada para comer um, ou dois ou vários pastéis de nata, no tradicional Pastel de Belém, com vinho do porto é uma boa pedida. Afinal, isso não pode faltar em Portugal.

Para quebrarmos com as linhas sóbrias das antigas arquiteturas do bairro, fomos conhecer o MAAT, Museu de Arte Arquitetura e Tecnologia, que está fechado e reabre em 27 de março. É surpreendente porque logo de cara nos deparamos com um edifício arrojado com suas linhas curvas de revestimentos cintilantes e pelas exposições que quebram modelos e normas.

o que fazer em lisboa

A escadaria do MAAT se torna uma arquibancada para descansar e admirar o Tejo. Sua arquitetura discreta e delicada harmoniza muito bem com o bairro antigo. As linhas sinuosas do museu navegam junto com as ondas do Tejo. Um diálogo entre obra de arte e a natureza. Há muito o que fazer em Lisboa.


Sobre a viajante:

o que fazer em lisboa
*Lourdes Luz
. Arquiteta e professora. Juntou suas duas paixões, História da Arte e viagens, no projeto Arte IN FORMA que criou com os colegas de profissão João Torres e Katia Souza.

Viajar bem, para mim, é descobrir novos lugares e culturas com boas surpresas. Ser acolhida com hospitalidade e um pouquinho de conforto também não é nada mal!


Quer mais dicas para viajar bem? Explore os outros posts do guia além 🙂

Tagged , , ,