Porque Julio Pacheco decidiu passar as férias na Islândia pela segunda vez (seguida!)

Spoiler: o Youtube é um dos responsáveis.

Há exatamente um ano, Julio Pacheco, apresentador do podcast Papo Torto e Head de Conteúdo da Empiricus, desembarcava na Islândia para passar 12 dias de férias com um amigo e a namorada. “É o lugar mais surreal que já fui na vida, e olha que sou uma pessoa zero aventura”, brinca.

 

aurora boreal na islandia

 

Ele gostou tanto que, agora, se prepara para ir de novo para lá em novembro. “Eu já estava com tudo praticamente fechado para ir para Itália e Noruega. O plano era ver aurora boreal em Tromsø, bem ao norte do país. Mas aí, assistindo alguns vídeos sobre o destino no Youtube, o autoplay colocou aleatoriamente um da Islândia. Virei para a Mari, minha namorada, e falei ‘e se a gente fosse para lá de novo?’.

No começo ela não curtiu muito a ideia, mas depois topou. Acho que todo mundo tem aquela viagem que te pega de jeito. A minha com certeza foi a Islândia”, diz.

Daqui a menos de um mês, eles embarcam para mais 12 dias no país com uma parada na Bélgica. “Agora vamos aproveitar para fazer as coisas com mais calma. A primeira vez foi aquela correria porque a gente sempre pensa “ah, preciso fazer tudo porque vai saber quando – e se – terei outra oportunidade de vir. Eu só não imaginava que seria tão rápido.”

A seguir, ele conta alguns dos motivos que o fizeram repetir o destino das férias:

1) Aurora Boreal, claro

aurora boreal na islandia

Quando você vê a Aurora, não consegue pensar em mais nada. É surreal – tanto, que deixei minha câmera cair e quebrar logo de cara. Passei a viagem toda fotografando com a de um amigo que estava junto.

Tínhamos acabado de chegar na Islândia depois de passar duas noites voando e sem dormir direito. Para chegar ao hotel, ainda dirigimos 4 horas, ou seja, estávamos acabados. Até que, no quarto, eu olhei pela janela e vi que tinha uma luzinha lá fora. Achei que não fosse possível, tem gente que vai para a Islândia várias vezes e não pega aurora. Era muita sorte a gente pegar logo na primeira noite. Não pensamos duas vezes e saímos correndo para fora. Na hora você esquece cansaço, frio (temperaturas negativas!), fome, tudo. Ficamos muito emocionados, foi a realização de um sonho.

2) Não, não é só Aurora Boreal

O que me chamou bastante atenção lá foram as estradas. Ao todo, dirigimos 3.200 quilômetros na viagem, e a cada 30 minutos a paisagem mudava e parecia que estávamos em outro país. Dava vontade de parar toda hora para fotografar.

Outra coisa interessante é que você passa 3 horas digirindo sem ver ninguém. Para abastecer o carro, por exemplo, tinha uns postos de gasolina no meio do nada que eram basicamente uma bomba e só. Nada de polícia, acidentes, trânsito.

paisagem da islandia

3) Quase tudo é de graça

Ir para a Islândia é uma viagem cara. É claro que dá para fazer em esquemas menos luxuosos, como em camper van, por exemplo, mas em geral hospedagem e alimentação lá são mais caras que em outros destinos. A parte boa, porém, é que as principais atrações da região são de graça. As pessoas vão para a Islândia para ver Aurora Boreal, visitar os parques nacionais e as cachoeiras. Prova disso é que eu sou um cara zero aventura (odeio suar), e estou indo de novo.

cachoeira na islandia

 

4) Gastronomia

Come-se muito bem lá. Como eu já disse, é caro, mas vale a pena. Para se ter uma ideia, uma vez paramos em uma espécie de padaria para tomar café da manhã (três cafés, sucos de laranja e panquecas) e tudo saiu por mais de R$ 300. Tem hora que não dá para converter, senão enlouquece.

O forte da região é o peixe, em todo lugar você encontra o salmão selvagem e o char, típico naquelas terras. Até a truta rosada e os hambúrgueres são ótimos.

Alguns restaurantes que eu recomendo: Kex Hostel, em Reykjavik – é absolutamente delicioso; Kolabrautin Ristorante, dentro do Harpa, também em Reykjavik. Em Akureyri, o Strikið é divino. No lago Myvatn, o restaurante do Vogafjos Farm Resort é bem gostoso. Eles tem um pão que é assado no chão (quente, por ser uma região vulcânica).

Gastronomia na Islandia: O hambúrguer do Vogafjos Farm Resort
O hambúrguer do Vogafjos Farm Resort

 


> Vá sabendo:

_Dá para acompanhar a previsão de aurora boreal pelo aplicativo Aurora, disponível para Android e iOS.

_As chances de ver aurora na lua cheia são menores. Quanto mais claro o céu, mais difícil fica. O mesmo vale para o verão, época em que acontece o fenômeno do sol da meia-noite.

_Ainda sobre a aurora: vá para lugares mais escuros. O bom é que na Islândia em 10 minutos de carro você já está longe (mesmo da capital Reykjavik).

_As coisas fecham muito cedo lá. Fique atento aos horários e sempre, sempre mesmo, tenha alguma comida com você – a gente comprava coisas no mercado. Não é raro acontecer de o restaurante mais próximo ficar a 100 quilômetros de onde você está.

_A moeda local é a coroa islandesa, mas é bom usar cartão. No início da viagem, lá no aeroporto mesmo, eu comprei um cartão pré-pago e o carreguei com 1200 euros. É bom principalmente em momentos como o do posto de gasolina, em que não há ninguém para receber dinheiro, apenas a maquininha. E assim você também não paga os impostos do seu cartão de crédito.


Sobre o viajante:

 

julio pacheco

 

Julio Pacheco é head de conteúdo da Empiricus, e criador e apresentador do podcast Papo Torto, com Gus Lanzetta e PC Siqueira. Nos últimos dez anos, passou pelos microfones da Rádio Bandeirantes e Rádio Estadão, foi roteirista do Conversa com Bial da TV Globo e jurado do programa Canta Comigo, da TV Record.

“Para mim, viajar bem é ter a oportunidade de conhecer os lugares que sempre sonhei, no meu tempo, com as pessoas que eu gosto. Ter a liberdade de ficar horas vendo a mesma pintura no meu museu preferido, ou dormir uma noite a mais na cidade que me apaixonei, sem me prender.”


Para mais dicas da comunidade Além sobre a Europa, clique aqui.

Tagged , , ,