Como cuidar da pele em viagens

Ar-condicionado do avião, temperaturas altas no destino, clima seco…tudo isso mexe com a nossa pele durante as viagens. Veja a seguir algumas dicas de como cuidar da pele de quem entende do assunto

A rotina de skin care de uma viajante frequente

Por Fernanda Lima*

Refletindo sobre meu 2019, percebi que a resposta que eu dava quando criança para “o que você quer ser quando crescer?” se concretizou. Nunca virei bailarina profissional ou astronauta, mas graças a ingenuidade e a falta de foco infantil, eu também cheguei a me imaginar viajando a trabalho.

Se eu fechasse o olhou eu enxergava essa Maria Fernanda alta, madura, que sabe o que quer da vida tomando espumante entre um e-mail e outro na sala vip dos melhores aeroportos enquanto esperava o próximo voo internacional. Pelo menos posso dizer que a segunda metade dessa última frase virou realidade.

Ainda que com um metro e meio de altura e, como uma boa millennial, sem tanta certeza do que eu quero da vida, em 2019 eu passei duas vezes pelo inverno de Nova Iorque a trabalho, o mesmo trabalho que me levou por um mês para o verão de Toronto, depois tive uns dias de férias no litoral baiano, ocasionais visitas pra família em Curitiba, uma semana estudando em Cambridge, alguns treinamentos em Los Angeles e no começo de setembro eu fui transferida pra Vancouver no auge da temporada de chuvas.

Desde então eu viajo mensalmente pra Calgary, uma cidade muito muito fria no interior do estado de Alberta, no Canada.

(Um pouco de contexto: eu trabalho no varejo em uma marca de cosméticos e hoje cuido das operações das lojas na costa oeste do Canadá).

Como quase todas as profissões, a prática é muito menos glamurosa do que o título, mas é verdade que o meu banheiro é recheado de cosméticos da melhor qualidade. Sorte a minha, porque todas essas viagens, por mais que cansativamente deliciosas, tem o poder de desregular a minha pele se eu não prestar atenção nela e tiver os cuidados adequados.

como cuidar da pele em viagens
Nossa pele é um órgão maravilhoso e a última barreira entre o corpo e o mundo real, por isso não surpreende saber que muitas vezes é também o primeiro a sofrer com os fatores internos e externos da nossa vida. Se você leu até aqui, eu te convido a fazer uma reflexão sobre quais são os fatores que estão mais presentes na sua vida e como eles possivelmente afetam a sua própria pele.

Alguns fatores internos podem ser stress, ansiedade, alimentação, consumo de água ou a falta dele e envelhecimento. Enquanto os externos incluem ambientes climatizados – ar condicionado ou aquecedor – cigarro e poluição em geral, exposição ao sol e uso de maquiagem. Mar e piscina também são alguns exemplos.

E cada um desses fatores pode indicar um efeito diferente na sua pele. Mas um dos fatores que mais pode impactar é a mudança climática. E é sobre isso que eu vim falar hoje. Como cuidar da pele longe de casa?

Algumas dicas para reparar nos efeitos que o clima tem na sua pele, e como resolver:

Como cuidar da pele no no avião

Até antes de sofrer os efeitos da mudança climática na pele em uma viagem, a gente já começa a sofrer os efeitos do ar-condicionado do avião. Não sei vocês, mas além do meu nariz ficar extremamente ressecado por dentro, a pele também costuma ficar um pouco sem vida e as vezes até escamosa.

Isso porque ambientes climatizados nos desidratam, ou seja, fazem a gente perder água da pele. Perceba que isso é diferente de ressecamento, que é a falta de óleo. Até mesmo uma pele oleosa pode ficar desidratada. Esses mesmos efeitos podem aparecer em…

…Clima seco

A recomendação para uma pele desidratada que também é impactada pelo consumo insuficiente de água e climas secos, é cuidar da pele com ingredientes umectantes. Ou seja, ingredientes que têm água na composição e atraem e retém a água na pele. Geralmente sérums são ricos em humectantes devido a composição aquosa. Invista em um bom sérum para evitar a desidratação.

Clima úmido

Não precisa nem ir muito longe para sofrer os efeitos do clima úmido na pele. Qualquer viagem pra praia já serve para ver o cabelo arrepiando e a pele ficando mais oleosa. Claro que isso também varia com os tipos de pele, mas se você sente a sua assim a melhor solução é caprichar na limpeza com ingredientes mais adstringentes para tirar o excesso de oleosidade.

Um bom tônico depois de lavar o rosto também vai ajudar a terminar de limpar a pele e tirar a oleosidade – prefira aqueles que têm uma certa adstringência. Na hora da hidratação, prefira também os hidratantes com mais água (umectantes) e menos óleo na composição para evitar o acúmulo de excesso.

Como cuidar da pele no frio

A minha pele sofre quase imediatamente com o frio. Todo mês eu passo de 3 a 4 dias em Calgary e, nesse momento, só de olhar para a previsão do tempo da semana que vem – de 12 a 28 graus negativos – a minha pele já repuxa toda.

o que fazer para a pele não ressecar no frio

Uma boa forma de saber se sua pele está ressecando é depois de lavar o rosto. Se sentir aquele repuxado, talvez seja melhor repensar os produtos que você está usando: diminua a adstringência da limpeza e do tônico e calibre nos emolientes (óleos) do hidratante.

No caso de temperaturas extremas, prefira um hidratante que ofereça uma barreira de proteção contra o clima. Uma boa forma de identificar se um hidratante é suficientemente rico nos óleos que sua pele precisa é através da textura – prefira os cremes mas consistentes.

Os cuidados com a pele que você deve tomar em cidades grandes

O excesso de poluição é um dos grandes fatores que aceleram a oxidação da pele, por isso, em cidades grandes é recomendado usar produtos ricos em antioxidantes – os famosos anti-ageing. Eles vão construir a proteção da pele contra os radicais livres, que são todos os elementos (internos ou externos) que afetam nossa pele e, entre outras coisas, aceleram seu envelhecimento.

Ah, e entre um creme e outro recomendo tomar uma taça de Pinot Noir, que também tem sua parcela de antioxidante (além de ser deliciosamente relaxante).


Sobre a viajante:

Cuidados com a pele em viagens por Fernanda Lima

*Fernanda Lima. Sempre achei que meu sonho era viver viajando até perceber que todo lugar novo que eu conhecia eu tinha vontade de saber como seria morar lá. Isso me fez entender que eu gosto de viajar na mesma medida em que gosto de me sentir local de cada lugar. Por isso, nos últimos dez anos colecionei contratos de aluguel em 7 cidades e 4 países diferentes e fui atrás de um trabalho que me permite pingar de cidade em cidade sem perder minha rotina.

Viajar bem pra mim é conseguir aprender com as diferentes cores, cheiros, texturas, sabores e pessoas que cada lugar traz, e ao saber apreciar a cultura alheia, valorizar ainda mais a nossa. Não existe lugar como o Brasil.


Quer mais dicas para viajar bem? Explore os outros posts do guia além 🙂

Tagged ,