O que fazer e o que não fazer em viagens para correr maratonas: 5 dicas do publicitário (e corredor) Astério Segundo

 

Tem quem viaje para comer, quem viaje para descansar, e tem aqueles que viajam para…correr. O publicitário Astério Segundo*, fundador da 35, é um deles. Fã de corridas, ele se inspirou no esporte até para nomear sua agência.

“Em uma maratona, o quilômetro 35 é um divisor de águas. Um ponto crucial que separa o fracasso do sucesso, os amadores e os faixas pretas, o desejo e a capacidade real de realizar algo grandioso”, diz.

Após participar das maratonas de Chicago (2017) e Nova York (2018) – e de já planejar para 2020 as de Porto Alegre e Berlim – ele dá dicas aqui para quem também pensa em pegar um avião com esse objetivo. Plus: a playlist que fez para correr em Chicago.

asterio segundo se preparando para a maratona de nova york
Gorro, luvas, segunda pele térmica, protetor de pescoço e agasalho de plástico: é assim que se deixa o hotel às 4h30 com 3 graus para correr uma maratona. À medida em que o corpo aquece, você vai se livrando das roupas em enormes cestos de coleta, que juntam tudo e enviam para abrigos que acolhem moradores de rua no inverno

1. Não misture preparação e passeios

Viagens para correr são diferentes de viagens para passear, e é importante ter isso em mente ao desembarcar no destino. Aprendi isso (na prática) na maratona de Nova York, cidade que adoro e visito com frequência. Na véspera da prova, encontrei um amigo e decidimos fazer um programa tranquilo e que eu nunca tinha feito, que era atravessar a ponte do Brooklyn.

Acontece que Nova York é um lugar que te distrai muito, você vai andando e nem percebe. Quando voltei para o hotel, me senti cansado e olhei meu Garmin para entender o porque. Eu tinha andado 33 quilômetros, quase uma maratona completa, e pedalado 10 quilômetros. Nunca que eu poderia ter feito isso um dia antes da corrida.

2. Aproveite para relaxar

Já que os dias que antecedem a prova exigem uma certa calmaria, aproveite para fazer aquilo que na intensidade do dia a dia você não consegue. Eu costumo levar uns dois livros para ler no avião e no hotel. É um ótimo momento para ficar um pouco desligado de tudo e se concentrar.

3. Cuidado com o que vai comer

asterio segundo em nova york

Eu gosto muito de experimentar novas gastronomias quando viajo. Sempre vou com uma lista de restaurantes para conhecer, mas quando o principal objetivo é correr uma maratona, não dá.

Tem que tomar muito cuidado com os pratos e ingredientes para não correr o risco de comer algo que pode não cair bem. Imagina colocar toda uma preparação de meses a perder em uma única refeição? A dieta na véspera é basicamente essa da foto: carboidrato e hidratação.

4. Curta a atmosfera da cidade

É incrível como as cidades que recebem as principais provas se transformam na época das corridas. Além de uma vibe diferente, você encontra referências em todos os cantos, como cartazes espalhados e vitrines temáticas nas lojas. Na hora de cruzar a linha de chegada é sensacional também, a galera vibra muito e isso dá uma energia a mais.

Mas o mais legal, na minha opinião, é o dia seguinte. Em Nova York, todo mundo que completou a prova sai na rua com a medalha, e as pessoas, mesmo as que não participaram, se parabenizam e trocam olhares. Lembro que estava na fila da Magnolia Bakery para pagar uns cupcakes e a atendente da loja me disse que não precisava, era um presente por ter completado a prova. É uma atmosfera muito legal e que ainda não acontece no Brasil.

maratona de nova york
Em 2018 éramos mais de 80 pessoas da mesma assessoria viajando do Brasil para enfrentar os 42k da Maratona de NY. Na foto acima, no trote de aquecimento na véspera, no Central Park

5. Fique uns dias a mais no destino

A sensação de dever cumprido pós-corrida é maravilhosa. Se puder, aproveite para pegar uns dias de folga no destino e, enfim, ser um viajante. Ande, pedale, coma tudo que quiser. Depois de tantos meses se preparando e de dieta, você acaba a prova com um crédito enorme de calorias. É a hora de se jogar para, na volta, se preparar para a próxima maratona.

maratona de nova york

 

Plus:

Essa é a playlist que fiz para me preparar para a maratona de Chicago. Durante a prova mesmo eu não escuto nada, só o feedback de como estou indo e a vibração da galera na rua.

 


asterio segundo*Astério Segundo é publicitário. Ao longo de sua carreira, trabalhou em algumas das maiores agências de publicidade do Brasil. Foi Diretor de Criação da Africa entre 2010 e 2015, período em que a agência foi apontada International Agency of the Year pelo AdAge. Como criativo, teve seu trabalho exportado para mais de 12 países da América Latina e, no Brasil, criou campanhas para anunciantes como Itaú, Ambev, PepsiCo, Natura, P&G, Seara e Grendene. Em 2017, formou-se em uma das primeiras turmas do Innovation Program da Singularity University. Há 1 ano, fundou a 35, agência de publicidade que tem seu modelo e cultura inspirados pelo universo das maratonas.

“Sempre que viajo tenho duas listas: uma que embarca comigo, com anotações de lugares, restaurantes, bares, museus e dicas que vou garimpando aqui e ali, e a outra que geralmente é feita no voo de volta. Essa resume os achados, experiências, dicas e até as conversas legais e reflexões que aquela viagem me proporcionou.

Viajar bem, para mim, é quando a segunda lista mostra que a pessoa que a escreveu já é um pouquinho diferente da primeira.”

Tagged , ,